Jilmar Tatto concedeu entrevista, na manhã desta sexta-feira (3), à Rádio Trianon, cuja audiência atinge toda a Região Metropolitana de São Paulo. Durante 1h30, o pré-candidato do PT a prefeito apresentou alguns dos pontos fundamentais do seu projeto para que “a cidade se encontre com ela mesma”.

Questões como mobilidade urbana, emprego e renda, educação e cultura pautaram boa parte da conversa. Tatto também relembrou parte da herança deixada pelos governos petistas à capital. “O legado deixado pelo PT à cidade é inquestionável. Foram políticas afirmativas e ousadas que o partido fez e que aumentam a esperança de que voltaremos a governar São Paulo”, declarou.

Confira a seguir os pricipais trechos da entrevista:

 

Por que quer ser prefeito?

Pela experiência que eu tenho. Já fiz muita coisa por esta cidade e sou muito grato a ela. Foi aqui que tive a oportunidade (quando foi secretário das gestões de Marta e Haddad) de implantar o almoço e janta para um milhão de crianças, as subprefeituras e uma grande revolução na questão da mobilidade urbana.
É com essa experiência que quero ser prefeito. A cidade está cada vez mais desigual e temos que criar uma rede de proteção social. Sou favorável à implantação do Renda Básica da Cidadania, temos que fazer o transporte gratuito de forma progressiva, criar uma frente de produção cultural na periferia para esta juventude que tem sido muito prejudicada.Também vou focar no pequeno e médio produtor dos bairros e fazer girar a economia.
Tenho certeza que podemos fazer muito por esta cidade.

 

Emprego e renda

Nós precisamos de um programa de recuperação nacional. O PT já está elaborando um documento, junto com a FPA, para salvar a economia do país. Aqui em São Paulo não será diferente. Quando eu falei de criar uma frente de produção cultural foi pensando também na economia, Temos que fazer com que a prefeitura invista nas periferias. Temos que fazer do limão uma limonada, incentivando a cultura, o esporte, o lazer.

Com o RBC e o transporte gratuito, que pretendo implantar, surgirá uma economia comunitária que irá valorizar os próprios bairros, que terão dinâmica própria. As pessoas deixam de gastar com coisas básicas e passam e injetar dinheiro em outras coisas. Passam a consumir cultura.

 

Legado do PT

A quantidade de coisas que fizemos na cidade de São Paulo é inquestionável. Criamos hospitais, CEUS, mudamos toda a estrutura de mobilidade urbana, incentivamos a cultura.
São políticas afirmativas que o PT fez e que aumentam a esperança de que voltaremos a governar esta cidade.

 

Educação

Antes de tudo é bom dizer que os professores estão em pânico com o anúncio do retorno das aulas. Como eles estarão protegidos?

A escola agora será outra. Para isso, será preciso reformar as escolas e fazer com que todos tenham noção maior de higiene e se sintam protegidos. É fundamental também colocar internet em toda a rede pública municipal. Eles não podem ficar para trás em relação aos estudantes de escolas privadas.

Eu pretendo implantar ainda o plano municipal de educação para acabar de vez a falta de vagas em creches, rever os contratos com as terceirizadas e dar o devido valor para as escolas municipais. Este plano prevê também a diminuição no número de alunos por sala de aula. Os professores também cobram cursos de capacitação. Nós temos que cuidar cada vez mais da educação para que isso continue sendo uma das prioridades das gestões petistas.

 

Juventude

Eu pretendo articular muito a produção cultural, principalmente na periferia. Cada bairro da cidade tem um grupo de pagode, de rap, artistas de rua. Então articulação na cultura, aliada ao esporte e lazer, abrirão uma nova janela de oportunidades a todos os jovens da cidade.

Hojs, os CEUs (Centro Educacionais Unificados) estão abandonados. E neles já existe toda uma estrutura que hoje está subutlizada. Temos também que reorganizar os CDCs, que são os clubes comunitários.

A cidade precisa se encontrar com ela mesma. Cidade significa poder compartilhar, estar juntos, fazer com que as pessoas ocupem as ruas. Isso aumenta a sensação de segurança e melhora a qualidade de vida da população.

Isso também é uma maneira de combater a intolerância ao fazer com que as pessoas convivam entre si. E quem tem que incentivar isso é quem governa São Paulo. Infelizmente não vemos isso hoje. Afastar as pessoas só aumenta os problemas da cidade.

 

Subprefeituras

As indicações dos subprefeitos terá de ser feita pelo prefeito. Evidentemente que, caso eu seja eleito, vou ouvir a opinião da comunidade, para que o nome escolhido seja da própria região e que tenha trânsito com todos os setores daquele território.

 

Moradia

Vamos urbanizar as favelas e fazer valer a função social da propriedade. Vamos fazer um grande cadastro para que imóveis abandonados sejam usados para moradia popular. Faremos também um mutirão de regularização fundiária para acabar com espaços pouco utilizados e organizar a cidade.

Há muitos imóveis que há anos não pagam IPTU e os donos simplesmente esqueceram da propriedade. Então por que não oferecer moradia a quem não tem onde morar? A questão da moradia é fundamental para contruir uma unidade familiar. Basta notar que pandemia se espalha justamente onde há submoradia em que as pessoas dividem o mesmo espaço com muitas outras.

 

População de rua

Eu vou voltar o programa Braços Abertos. É inadmissível a cidade de São Paulo, a maior da América Latina, tenha tantos dependentes químicos sendo mal tratados pelo poder público. Também é inadmissível ter 25 mil pessoas morando na rua.

O primeiro passo que vamos dar é oferecer carinho a estas pessoas. Oferecer assistência médica, social, encontrar moradia. Muitas destas pessoas estão sendo procuradas por suas famílias.
O meu plano de governo começa por estas pessoas. O renda básica começará por estas pessoas.

 

Adiamento das Eleições

Quem tem que decidir isso são as autoridades sanitárias. Com o Congresso aprovando o adiamento isso acaba me ajudando porque ganho mais tempo para mostrar o meu projeto à cidade para quem ainda não me conhece.
Essa mobilização que estamos fazendo, conversando mesmo que online, também tem sido muito importante. As nossas redes sociais terão que ser estratégicas, já que talvez a gente não tenha campanha feita nas ruas.

 

Cota eleitoral

Estamos oferecendo cursos com todos os candidatos e candidatas em todo o Brasil para prepará-los. O PT também vai decidir sobre a questão da minha vice, que quero que seja mulher e da periferia.

Sobre a questão da diversidade, eu tenho bastante experiência. Quando fui secretário, montei o Conselho Municipal de Transporte e Trânsito e já colocamos em prática a paridade: era 50% homem e 50% mulher.
Quero que as pessoas que trabalhem na prefeitura sejam a cara do povo brasileiro, com diversidade e com o mesmo número de mulheres e homens.

 

Alianças

O PT tem apoiado candidatos de outros partidos. Em Porto Alegre vamos apoiar a Manuela D’Ávila. Mas vamos com calma. Ainda é cedo para falar em aliança aqui. Vamos conversar e, se não acontecer no primeiro turno, faremos no segundo.

A nossa prioridade maior agora é na elaboração do plano de governo. Vamos criar uma proposta revolucionária, ousada, para que São Paulo saia dessa crise. A cidade vai ser diferente depois da pandemia. Vai ser uma cidade machucada.
Note que agora ninguém fala que o Estado atrapalha. Imagine se não fosse o SUS e todas as pessoas que estão trabalhando para salvar vidas. Mas eu espero que as pessoas fiquem mais solidárias depois disso tudo.

 

Futuro do PT

O PT sempre inova. Inovou quando criou secretaria de mulheres, LGBT, de combate ao Racismo. Inovou também quando colocou um operário como presidente da República.

 

O PT segue como o maior partido do país.

Agora, como secretário de Comunicação, também estamos inovando. Já criamos a TVPT e vamos criar uma web rádio. Estamos fazendo uma série de inovações. Há muitos jovens querendo se filiar ao partido e temos que dialogar muito com esse público.

A inovação do PT se dá na apresentação de propostas. O auxílio emergencial foi apresentado pelo PT, que queria um salário mínimo. Acabou sendo aprovado no valor de R$ 600. O PT também tem lutado muito contra esse governo.

O povo brasileiro está traumatizado. O presidente tem um comportamento que valoriza a morte. O PT já entrou com pedido de impeachment. O Brasil não sairá desta condição se ele continuar no comando.

 

Transporte por aplicativo e mobilidade

A minha área é a área de transporte. Aposto muito no investimento de calçadas para os pedestres, em corredores de ônibus para o transporte coletivo, em aumentar a malha metroviária porque uma cidade como São Paulo necessita de muito mais linhas.

Também acredito no aumento das ciclofaixas. Imagina se não tivéssemos feito mais de 400 Km de ciclofaixas como estariam estas pessoas que estão trabalhando durante a pandemia. Seria uma carnificina.
Há um debate no mundo todo sobre a regulamentação dos transporte por aplicativo. A manifestação ocorrida nesta quarta (1º) mostrou as condições precárias a que são submetidos os entregadores. Eles não possuem nem equipamento de proteção.

O governo tem que intervir nisso. Da maneira como está acontecendo não pode continuar. A lucratividade dessas empresas é muito alta.

Da Redação

FacebookTwitterEmailFacebook Messenger