Espera-se que com esses novos modais o preço da passagem fique mais barato, até, posteriormente, poder ser gratuita”, declara Tatto.

O Governo Federal liberou para a cidade de São Paulo, na última quarta-feira (21), por meio da Comissão de Financiamentos Externos (Cofiex), a garantia de U$500 milhões de dólares pelo Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID) e o Banco Internacional para Reconstrução e Desenvolvimento (BIRD) para a aquisição de 2,6 mil ônibus elétricos.

Como garantia, a prefeitura deve injetar U$125 milhões, provando que vai cumprir a Lei de Responsabilidade Fiscal. Essa troca de frota vai se dar até o fim de 2024.

De acordo com o deputado Jilmar Tatto, o aval vai ao encontro do Projeto de Lei 1743/23, de sua autoria, que institui o Programa Mobilidade Urbana Sustentável, oferecendo apoio para o incremento de veículos elétricos destinado à mobilidade urbana nos Municípios.

“A troca dos ônibus movidos à óleo diesel por elétricos visa aumentar a segurança do trânsito e diminuir a emissão de poluentes do sistema de mobilidade urbana. Espera-se que com esses novos modais o preço da passagem fique mais barato, até, posteriormente, poder ser gratuita”, declara Tatto.

Fabricação Nacional

Para incentivar o setor, o presidente Lula inaugurou, no dia 2 de junho, a fábrica de ônibus elétricos da Eletra em São Bernardo do Campo, produzidos 100% com tecnologia nacional para o transporte público.

Segundo Tatto, o governo Lula está atento à necessidade de promover uma transição tecnológica no setor automotivo. “O presidente está sempre olhando pro futuro. A eletromobilidade não é uma moda passageira, ela é o futuro. Temos de pensar em políticas públicas que incentivem essa transformação em solo brasileiro, atraindo novas fábricas e transferência de tecnologia”, disse o petista.

A fábrica tem capacidade de produzir 150 ônibus elétricos por mês e um total de 1.800 por ano. A expectativa é que sejam criados 500 empregos nos próximos dois anos.

A própria cidade de São Bernardo do Campo, já iniciou o uso com a primeira linha municipal da região operada somente com ônibus elétricos. “O mercado brasileiro é enorme. Temos espaço para muitas empresas. Meu projeto de lei visa criar condições que fomentem o setor, proporcionando investimento e geração de empregos, bem como a discussão de uma política pública que beneficie toda a sociedade, como é o caso da Tarifa Zero”, afirma Tatto.

 


FacebookTwitterEmailFacebook Messenger